Feijão, o alimento que nenhum brasileiro dispensa! Sua combinação com arroz branco é a marca registrada da culinária nacional. Consumido de diversas formas (em sopas, saladas ou a moda brasileira, em parceria com o arroz), e dispondo de muitas variedades no mercado, o feijão é uma lavoura de fácil germinação, mas bem suscetível a fatores ligados ao clima, solo e ocorrência de pragas e doenças, afetando sua produtividade.

Com alguns cuidados e seguindo o manejo correto, porém, é possível obter sucesso nessa lavoura. Mas antes, vamos conhecer um pouco mais sobre a cultura do feijão. O feijão é cultivado no continente americano desde a antiguidade. Existem diferentes tipos de feijão e que podem variar em tamanho, forma ou cor. E entre os principais cultivados no Brasil e no mundo, estão o feijão carioca, feijão preto, feijão branco, feijão jalo, feijão rajado, feijão bolinha, feijão vermelho e feijão rosinha.

O preparo

São três os métodos de preparo do solo empregados para o feijoeiro: preparo convencional, cultivo mínimo e plantio direto.

Preparo convencional: O preparo convencional do solo para o plantio do feijão é realizado com equipamentos de disco, incluindo os arados de disco e as grades pesadas.

A preferência por esses equipamentos é devida à facilidade de operação em condições adversas dos solos. Há uma grande demanda específica de combustível para a operação com o arado de disco, enquanto ela é bastante reduzida nos trabalhos com a grade pesada em função, principalmente, da sua alta capacidade de trabalho.

Cultivo mínimo: O cultivo mínimo é o sistema no qual se utiliza menor mobilização do solo, quando comparado ao sistema convencional.

Plantio direto: Podem ser encontradas vários termos, referindo-se ao plantio direto: semeadura direta, sistema plantio direto, plantio direto na palha, cultivo zero, plantio sem preparo, sistema de nenhum preparo.

Para realizar esta operação, a máquina de plantio deve cortar a palha acumulada na sua superfície, abrir um sulco (com a menor espessura possível) no solo, depositar a semente na profundidade adequada, possibilitando o seu perfeito contato com a terra e, ao mesmo tempo, colocar o adubo abaixo e ao lado da semente.

O feijão, como se vê, é uma planta muito exigente.

O lavrador, como quase sempre acontece, reserva as terras melhores para as culturas do café, do algodão ou de hortaliças. Para o feijão sobram as já cansadas, muito ácidas e fracas. A leguminosa tem preferência pelos solos cujo ph varia entre 6, 5 e 7. Sendo muito ácidas, as terras deverão ser corrigidas através da calagem, no mínimo um mês antes do plantio. Se forem muito argilosas e arenosas, a solução será o uso de matéria orgânica semidecomposta.